Subversa

Quando as árvores se despem | Pedro Belo Clara


Dancemos, amor, dancemos;
deixa que por cisne te tome,
um cisne vogando na quietude
dum mar de estrelas – mesmo que seja,
vestindo-te, só o linho a desenhar asas
num sonho de noite de cristal.

Dancemos, amor;
dancemos num rodopio mudo
de ave que aceita e louva a queda:
pois as folhas bronzeiam as aragens,
precipita-se a carícia que arrepia
corpos e corações em despojo,
cresce uma saudade de andorinha
em iminente despedida.

Tudo é oiro e implode e grita
a vida que em breve – oh, tão breve –
estará dormente: partem para o sul
as aves que guardam o verão no peito;
as videiras emudecem em âmbar
ao toque do poente; os cardos aprontam-se
para dar a vez aos trevos – e assim
a luz devolver-se-á aos olhos das pedras.

As nuvens espalham das alturas
o perfume das chuvas
pelos caminhos onde semeámos
pegadas de silêncio e abandono.
(Em que recanto esquecemos os sorrisos?)

Oh, amor, dancemos; no grande assombro
que flor pode medrar? Os ramos,
finos dedos de morte, já se precipitam
sobre a janela do coração – e tudo tem

o destino dos náufragos.

Dancemos, amor, dancemos;
quando as longas adagas de gelo luzente
reclamarem o doce sangue dos frutos,
que nos encontrem assim: em dança
lenta e profunda, como quem se despe
de tempo e raiz, em absoluta entrega
a cada movimento duma canção
de colinas, flores e vento– a canção
que celebra os filhos do sol.


PEDRO BELO CLARA nasceu em Lisboa, Portugal. Um ocasional prelector de sessões literárias, actualmente é colaborador e colunista de diversas publicações literárias portuguesas e brasileiras. O seu último trabalho foi dado aos prelos sob a epígrafe de “Lydia” (2018). É o autor dos blogues Recortes do Real, Uma Luz a Oriente e The beating of a celtic hear

Sobre o Autor

2 Comentários

  1. Maria Isilda Monteiro da Silva 11 de outubro de 2019 em 18:04

    É um enlevo para a alma ler a escrita de Pedro Belo Clara. A sua sensibilidade, a riqueza de vocabulário, a sua arte em arrumar as palavras, não podem deixar ninguém indiferente. Muitos parabéns.

    • Pedro BC 12 de outubro de 2019 em 16:33

      Muito obrigado pelas suas palavras, estimada amiga. Ficarei feliz se o meu trabalho continuar a merecer a sua atenção.
      Tenha um óptimo domingo.
      Até breve.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367