Subversa

Sobre perguntas, questionamentos e um pai em apuros | Carlos Henrique Barth


Criança gosta de perguntar. Questiona tudo sobre todo assunto. Meu filho João Paulo sempre foi pródigo nesse quesito. Deve achar que sou algum terminal do Google tal a quantidade de questionamentos que me faz. E isso vem de longa data, desde quando estava aprendendo a falar. Eu, pai de primeira viagem, sabia quão importante era  ter paciência e tentar responder às suas questões sob pena de podar sua curiosidade. Só não imaginava que seria tão difícil.

Creio que fui relativamente bem sucedido nessa questão. Obviamente tive meus dias ruins onde o que queria mesmo é mandar um “vai brincar e não me encha o saco!” Sei que é difícil acreditar, mas pais também são humanos. No entanto, respirava fundo e tentava, no limite de minhas possibilidades, responder às suas inquietações filosóficas, tais como saber por que motivo o Batman usa uma capa se o mesmo não voa ou quem seria mais poderoso: Deus ou Super Homem? Questões interessantíssimas essas, que demonstram a argúcia de uma criança curiosa.

Outra questão interessante era uma observação feita por João a qual batizei como o “Dilema do Incrível Hulk”. A questão começou com a seguinte pergunta:

— Paiê, o Hulk usa sapatos?
— Sim, os usa quando é o Bruce Banner – respondi achando que a questão estava finalizada. No entanto, Joãozinho estava apenas começando a formular sua teoria.
— Veja bem — argumentou o pequeno inquisidor —  ele usa sapato mas sempre tem os sapatos rasgados quando se transforma no Hulk. Não seria melhor usar umas sandálias havaianas?

Por um momento fiquei perplexo. Como não havia pensado nisso antes? No entanto, procurei argumentar sobre outro ponto de vista. Afinal, temos que pensar que o Hulk quando não está transformado é um cientista. Então, talvez, não seria muito apropriado ao Dr. Bruce Banner ficar perambulando pelo laboratório de sandálias. O que diria o mundo acadêmico? No entanto, era inegável que acabava tendo gastos consideráveis com a compra de sapatos que eram inutilizados a cada transformação. Era um verdadeiro dilema.

E assim me mantinha sempre em relativo estado de alerta, nunca totalmente relaxado, sempre pronto para responder questões acerca do Hulk, Batman, Deus ou Dragon Ball. No entanto, ainda não estava preparado para o que veio…

— Paiê!.
— Sim, filho?
— O que é gay?

Quase caí pra trás. Me pegou totalmente desprevinido. Assuntos relacionados à sexualidade estavam completamente fora da minha programação pelo menos pelos próximos dez anos. Pensei em simular um ataque cardíaco para fugir à questão. Miraculosamente consegui recobrar a calma, respirar fundo e sair pela tangente:

Gay é “alegre” em Inglês…
— Só isso? — grandes olhos castanhos me olhando incrédulos.
— Sim, só isso…

O menininho de olhos grandes e cabelos loiros cacheados ficou pensando por um tempo que pareceu uma eternidade. Imaginava que concluiria algo como “se gay é alegre, então sou gay”. Ensaiava mentalmente respostas a todos desfechos possíveis e imagináveis que a conversa poderia tomar. A pequena mente viajou sabe-se lá por onde e, após uma longa reflexão, inesperadamente concluiu:

— Eu sou preguiçoso…
— Tudo bem, meu filho… tudo bem ser preguiçoso… — respondi aliviado por ter conseguido postergar esse tipo de conversa.

Reconheço que fui covarde e simplesmente fugi do assunto. Sei que não poderei protelar pra sempre esse tipo de conversa, só peço um tempinho para me preparar melhor. Prometo ter uma discussão franca sobre sexualidade com ele assim que ambos estivermos prontos. Planejo termos essa conversa séria, de homem pra homem, impreterivelmente em algum momento entre a formatura da faculdade e o casamento. Até lá espero estar preparado.


Carlos Barth | Macaé, Brasil | carloshenriquebarth@yahoo.com.br

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. Sheila Bueno Moreira 16 de dezembro de 2019 em 13:11

    O final dessa conversa eu quero ver…

  2. Gesliane 16 de dezembro de 2019 em 14:24

    Muito bom
    Adorei
    Parabéns

  3. Liziane Reis 17 de dezembro de 2019 em 23:59

    Sou tua fã 👏🏻👏🏻👏🏻

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367