Subversa

(sem título) | Thássio Ferreira


nem tudo que finda
vai se exaurindo
des-aparecendo

como o fim
do amor
por exemplo

ao longo
do fio
do tempo

como a maré
num único dia
(próximo àquele
outro fio:
do equador)
vai subindo
(pre)enchendo
as ranhuras
da pele
da praia
(os fotógrafos chamariam
este efeito de
time-lapse)

ou como
a umidade
se infiltrando nas paredes
subindo também
amolecendo os tijolos
impregnando tudo
que é sólido
de um desmanchamento
que virá

como aos barrancos de areia
na maré cheia

ou como outras
(metáforas de) águas
que também vão
preenchendo o poema
com seu próprio fim.


Thássio Ferreira | Rio de Janeiro, Brasil | thassioescritor@gmail.com.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367