Subversa

Pássaro de fragata | Eber S. Chaves


À noite, recolhido em meu quarto…

Voo, como se estivesse planando sobre a corrente marítima com as asas abertas; e, enquanto sinto o vento atacar o meu rosto, aprecio esse jeito intenso e divertido de me locomover.

É sempre assim quando adormeço.

 

À noite, recolhido em meu quarto…

Lá de cima, perto das nuvens, vejo os pássaros de fragata, quando pairam sobre o mar tropical com suas asas de mais de dois metros de envergadura.

É sempre assim quando adormeço.

 

À noite, recolhido em meu quarto…

Ganho altitude, centenas de metros.

O rosto pegajoso com sangue coagulado, e o sabor das vísceras ainda permanece em minha cavidade oral.

É sempre assim quando adormeço.

 

À noite, recolhido em meu quarto…

Vejo um pássaro se aproximar de um galho para pousar perto da fêmea. A fêmea então o recebe dobrando o corpo quase na horizontal, abrindo as asas e piando. Ele monta nela mantendo as garras curvadas, e ela levanta a cauda descobrindo a sua abertura genital.

É sempre assim quando adormeço.

 

À noite, recolhido em meu quarto…

O ego admira a verdade expressa com coragem, a verdade é menos cruel do que a perda. Mas, já entorpecido entre imagens oníricas, há no ato de voar uma recorrência significativa.

É sempre assim quando adormeço.


Eber S. Chaves | Vitória da Conquista, BA.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367