Subversa

Lucidez | Carlos Frazão (Porto, Portugal)

Ilustração (aquarela e nanquim): Raysa Ricco Pavão

Ilustração (aquarela e nanquim): Raysa Ricco Pavão


O vento dispersa-se como um lastro e desce pela orla das árvores azuis ao crepúsculo. Não muito mais entre a névoa, o silêncio focado nas luzes distantes. Narro um sonho lúcido, aquela margem em que se pode escolher o destino. Um compromisso com a invenção do real. Passear pelas sombras aneladas de um bosque que: não existe. Unidos os lábios às palavras ou os dedos aos dedos, nenhum espaço para inscrever o corpo sob a leveza de um vazio. Tudo flui. Talvez se dilua o tempo na aproximação à morte consciente, o que gostaríamos de saber para descrever aos olhos. As folhas aspergem o hálito da noite e o ar marítimo regressa à avenida num torpor insone. As janelas estão fechadas e os objectos não se distinguem nos filtros da neblina. Tudo parece quase deserto. O lugar do próprio sonho aonde se vai, correndo pelas escadas da casa para inventar a última frase possível. E.E. O significado das escadas num sonho – pensei. O areal que foi um pouco a nossa história apaixonada, talvez as horas vividas no café de espelhos, aqueles dias num hotel do mundo quando se parte em viagem por um assédio ou por nada. Mesmo as locuções de um alfabeto que: não existe. O desejo. A mutilação inconsciente dos vitrais, os grandes lagos e e o teu corpo nesse brilho disperso pelas películas da luz. E.E.

Isso.

O que levamos da vigília com as veias à flor da pele.

Até ao sonho lúcido para descrever aos olhos.


CARLOS FRAZÃO, portuense, mestre em filosofia, exerce a profissão docente. Publicou três livros de poesia e tem participado em colectâneas e revistas de literatura. Em preparação um livro de contos e um ensaio de textos filosóficos.  CF.CARLOSF@GMAIL.

Marcado com:

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367