Subversa

Egresso | David Barreto Coutinho


Era calando a minha revolta que eu seguia pegadas intangíveis pelas beiras dos rios; cada passo vinha calculado, um após o outro, como as asas da gaivota abrindo e fechando em sincronia harmoniosa com meus passos sobre a grama e a terra, numa perfeita valsa invisível dos corpos.

Foi sufocando meu desespero que entrei de bom grado pelas suas vias caóticas; lambi as retinas desse infortúnio, como um cão simpático à beira do caminho que lambe doce as suas feridas; era para dentro, e não para fora, que eu imprimia o capricho inocente deste tumulto.

Tinha consistência minha revolta; tinha textura o meu desespero; fora por margens sinuosas, como Teseu que marchou pelo labirinto de Minos, que avistei concretas passagens de uma fuga certa e radiante; fora no bailar ao vento dos ramos de amendoeira que pus à língua o mais gostoso suco, sob o qual renovei dolorosa minha esperança.

Meus olhos uns, são uns olhos, tão olhos que veem e esquecem, tão humanos quanto gastos, tão velhos quanto o juízo, mas são estes olhos que miram seu alvo: uma casinha de barro e pedra, com uma única entrada, uma única janela, como são únicos esses olhos.

Sem controlar o meu ímpeto, sem ouvir o coração que batia nem o rio que passava, encontrei refúgio nesse curral, lavando meus pés num gesto simbólico ante a entrada, para com um pouco ainda de vigor, tais quais as gotas que escorriam pelos meus cabelos molhados, pousar este espírito cansado sobre o chão de lama.

É contundente o nervo que salta; proponho-me a pensar na metamorfose dos seres, inquirindo-me como, em sua consciência – ou que seja consciência nenhuma – a lagarta irromperia o mais seguro casulo, abdicaria do mais saboroso néctar e de todo silêncio de sua engenhosa proteção, para dar asas a outro animal, que é em si o mesmo, mas agora outro.

Era calando que eu negava, era fechando-me que eu sentia; o sol já vai ser por ao oeste desta campanha; na casinha de uma janela só, a noite cobria o último feixe de luz.


David Barreto Coutinho | Rio de Janeiro, Brasil | barretocoutinho2@gmail.com

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367