Subversa

Chuck Traynor | Felipe G. A. Moreira


Minhas pernas e tronco… submersos?
na areia movediça

quando

Linda, te fiz…
bem sei eu, a coisa entre coisas ––o utensílio doméstico…
e eu… eu sinto que…
e eu…

Ah! os Diabos!

Uma cadela é uma cadela é uma cadela…
Eu te estacava, piranha!

Estão minha cabeça e os braços a tentarem se erguer ao céu?
Onde os deuses foram aniquilados?
Devo de estar eu tateando os corpos dos deuses aniquilados;

os deuses foram aniquilados, sim ––
fiz a areia, a areia por toda parte…

E a forma do homem…  a forma…
do… homem…

Eu te trazia a disciplina…

Quando há muito anseio pela A luz, mesmo a da lâmpada qualquer
fiz areia na minha boca, na minha língua…

Eu te estacava a ilusão…. da lógica…

A lâmpada qualquer foi estraçalhada.

Eu vejo os reflexos nos cacos de vidro.

Linda, eu os desejo.


FELIPE G. A. MOREIRA nasceu em 1984 no Rio de Janeiro. Publicou a peça poética, Parque (2008, Revista Zunái online) e o livro de poemas, Por uma estética do constrangimento (2013, ed. Oito e Meio). No momento, trabalha no que espera tornar seu novo livro de poemas, Sequestro público da senhorita saúde (ainda sem editora). Ele também trabalha como professor de filosofia da Universidade de Miami e na sua dissertação de doutorado sobre metafísica, Disputas: a incomensurável grandeza das micro-guerras.

Leia os artigos anteriores do Felipe AQUI.

felipegustavomoreira@yahoo.com.br | Site pessoal.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367