Subversa

Borges | Rodrigo Azeredo

 

Neurônios de roqueiro em distorção serena:

O fato e o fado de quem te lê, poeta.

Mais que tigres enjaulados, mais que lutos argentinos,

cresce o assombro pelo verso atrás do conto.

Fizeste da torre a Babel de livros,

do texto encantado o sublime paradoxo —

ser humano, não sê-lo

tudo ao mesmo tempo agora e ontem.

Singular metáfora leva além

da garganta de poemas inflamada.

De pouco e muito perdeste a visão

para sempre poder-nos dá-la.


Rodrigo Azeredo | Rio de Janeiro, Brasil | lopesro@gmail.com

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367