Subversa

Água salgada | Andriele Moraes

 

Denise se afundava em água salgada toda vez que a dor doída criava buraco no corpo. Preenchia com o sal aquilo que já doía até demais pelos braços, pernas, cabeça. Carregava nesse modo de lidar com a própria dor um jeito do mar levar e ficar. Levar a dor e fincar com as cicatrizes pra lembrar que ferida que é ferida dói em gente grande até formar cascas de não sei o quê.

Do corpo de Denise, de buraco nada dava pra ver depois que, sem muito gingado, saia da água funda sem as rachaduras na pele.  Antes de entrar, do corpo se avistava cova, rasgo, brecha feia, vácuo de mulher sem saída pra sofrimento. Quando Denise olhava-se no espelho e reparava esses caboucos, tratava de curar com a água salgada.

O olho, a boca, o cabelo, todo corpo de Denise tinha era rastro de sal. De sal só não. De água também. A coitada da mulher vivia molhada. Era o jeito que arranjava pra curar a dor funda no peito.

Ela já havia nascido com o rombo da vida no próprio corpo. Batizada no mar, ninguém tinha conhecimento do próprio nascimento. Registro tinha não. Nome foi dado pelos outros. A existência de Denise já era cheia de buraco. De família, só as coisas ruins que ficavam em casa. Do mar, o próprio nascimento e renascimento. Foi assim que aprendeu a se curar de coisa ruim. A coisa ruim do marido. A coisa ruim do filho. A coisa ruim da vida. Era coisa ruim de rombo bem arrombado que era curado com água salgada que batia no ferimento de dor bem funda.

Naquela profundeza de angústia e da água salgada, Denise esquecia quem era. Não reconhecia o próprio corpo feito de matéria de rachadura. O sal juntava todo o rompimento do torso de Denise. A mulher sentia o acolher de todo esse ajuntamento. Quando se preparava pra sair do mar, já saia com os vazios dos buracos sem dor pra voltar pra vida de quem é o tempo todo perfurado pelas entranhas, de quem não vê nem a identidade.

 


Andriele Moraes | São Paulo, Brasil | pernambucana, 24 anos, jornalista, uma das criadoras do clube de leitura e do podcast Clube do Livro Feminista.

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão sinalizados *

Entre em Contato

contato.subversa@gmail.com
Brasil: (+21) 98116 9177
Portugal: (+351) 91861 8367